A condição do solo pode influenciar significativamente o sucesso da planta.
Neste artigo vamos mostrar como ter sucesso com o solo existente no seu jardim. Vamos mostrar como usar técnicas cientificas para determinar as características do solo, os seus componentes e o seu respetivo papel.
Vamos mostrar como tornar os solos mais hospitaleiros para as suas plantas e organismos benéficos para o solo, através dos resultados dos testes dos solos e usando uma combinação de técnicas domésticas e testes laboratoriais profissionais, pode descobrir medidas básicas e começar a explorar métodos de restaurar os seus solos para que sejam sustentáveis e ambientalmente apropriados.

terra arável
terra arável

Componentes e tipos de solo

O solo é uma combinação de componentes orgânicos e inorgânicos. Esses componentes, em conjunto, transmitem características físicas, químicas e nutricionais.

As partes inorgânicas do solo são a areia, a argila e o limo. Estes três componentes têm diversos tamanhos e dimensões.
A areia é tridimensional, redonda e granulada; o limo também é tridimensional e redondo, mas é muito mais pequeno do que a areia e tem uma textura semelhante à da farinha; por sua vez, a argila é muito mais pequena que o limo, sendo que as partículas de argila são planas.

Cada um destes componentes tem um efeito na drenagem e nutrição do solo: quanto mais arenoso for o solo, maiores as partículas — maior a drenagem. Isto é ótimo para o movimento da água e o arejamento, mas também implica que é mais difícil manter a água no lugar, dado que estes tipos de solo tendem a ser excessivamente drenados.
À medida que passamos de areia para limo, a retenção da água aumenta e drenagem diminui. Ao chegar à argila, com as suas pequenas partículas planas, que tendem a formar placas quase impenetráveis, a drenagem é mínima e o arejamento difícil.

Do ponto de vista nutricional, ocorre o inverso: A areia é muito má a reter nutrientes. O mesmo ocorre com o limo. Isto ocorre porque não se conseguem ligar a nutrientes. A argila, pelo contrário, pode ligar-se aos nutrientes, segurá-los e depois libertar certos nutrientes e ficar com outros. Por isso, a argila é vital para a nutrição do solo.

O segundo componente do solo para considerar é o material orgânico, que traz muitos benefícios. O material orgânico melhora a humidade do solo. A maioria dos materiais orgânicos pode absorver e depois libertar, lentamente, humidade. Pode também melhorar a drenagem e o arejamento, especialmente o material orgânico mais grosseiro, além de fornecer nutrientes.
Qual é o nível ideal de material orgânico para as plantas? Para obter uma estimativa aproximada da quantidade de material orgânico que se encontra no solo, usa-se percentagem por volume. Use os resultados do teste de solo, que é dado em percentagem por peso, e duplique a quantidade, que será aproximadamente equivalente à percentagem por volume.
A mistura de dois fatores climatéricos ajudam a determinar o que será um nível sustentável de matéria orgânica no solo. A água determina se a decomposição ocorre. Mais água implica mais decomposição, o que se traduz em mais matéria orgânica no solo. A temperatura, por sua vez, funciona de forma similar: mais calor traduz-se em maior decomposição.

Os solos nativos, regra geral, não estão compactados (mas dificilmente alguém tem solos nativos – são solos pouco ou nada tocados pelo Homem), são soltos e friáveis (quebradiços), têm boa circulação de ar e água e são naturalmente arejados por organismos do solo, como minhocas e toupeiras. Estes organismos trazem ar e materiais para cima (o topo) e para baixo; é assim que a matéria orgânica é trabalhada no solo naturalmente.
Os níveis sustentáveis de matéria orgânica dão determinados pelo clima. Os solos urbanos e suburbanos não são nativos e podem não ser o ideal para plantas que tê origem nativa.
O mais certo é o solo do seu jardim ser compacto. Se o solo não tem vegetação, normalmente é pisado, o que leva a má irrigação e arejamento. Por exemplo, se tiver tráfego de veículos, o solo compacta. Gotículas de água podem também causar a compactação dos solos, assim como a chuva e a irrigação de solos sem vegetação (solos nus).

Os solos ‘artificiais’ são esteticamente bastante apelativos aos jardineiros. Muitos deles são escuros, têm uma boa textura e a aparência que os solos saudáveis devem ter. Mas na realidade não se parecem ao solo.

Os solos ‘artificiais’ (ou seja, feitos pelo Homem) podem não ser a melhor escolha para o seu jardim. Normalmente não contém terra vegetal (ou solo arável) que é difícil de encontrar e, portanto, uma matéria-prima cara. Os solos ‘artificiais’ contêm vários tipos de materiais misturados com a terra vegetal — areia e matéria orgânica. Por vezes tem em demasia em relação às necessidades das plantas e ao que pode ser sustentável de forma natural. Quando existe muita matéria orgânica no solo, com o tempo, quando se decompõe, vai assentar e diminuir.

solo arável
solo arável

Terra vegetal

A terra vegetal (ou solo arável) que é vendida nas lojas está dividida em 3 tipos de mistura:

  • metade terra franca e metade composto (terriço);
  • um terço cada de composto, terra franca e turfa e por fim,
  • terra vegetal composta por 1/5 (20%) de composto, turfa, terra franca, desperdícios triturados do jardim (mulch – trituração da cobertura do jardim) e serrim.

Este último tipo de terra vegetal não é a melhor das escolhas dado que o solo é muito pouco e tem muito material orgânico.

solo argiloso
solo argiloso

De que tipo é o seu solo?

É terra vegetal pura ou é solo ‘artificial’, com diversos níveis de folhas trituradas, composto, grãos moídos, ou turba em pó (esfagno) como parte do material orgânico?
Existem testes simples e baratos que pode fazer em casa para saber a resposta.

solo arenoso - areia
solo arenoso – areia

Teste do dedo – estimar a textura do solo no jardim

Os testes laboratoriais são cruciais para determinar o conteúdo mineral e outros atributos químicos, mas para determinar a textura do solo, basta água e os seus dedos.
Primeiro, hidrate uma amostra do seu solo misturando uma pequena parte com água até estar totalmente humedecida e maleável. Isto divide os agregados e permite ver as características que ajudam a classificar o solo. Este não deve estar encharcado; se estiver, adicione mais terra até obter uma amostra humedecida.
Em seguida, aperte uma parte do solo húmido na sua mão, observe a bola que se formou e compare com as descrições abaixo.

  • Areia: solos arenosos são soltos e arenosos; dado que não seguram bem a humidade, não são coesos. Quando espremido na palma da mão, os solos arenosos podem formar uma bola, mas desmoronam-se quando são tocados.
  • Solo franco-arenoso: como no caso da areia, estes solos predominantemente arenosos têm uma textura arenosa, mas a presença de silte (limo) e/ou partículas de argila torna-os mais coesos e transmitem uma sensação ligeiramente pegajosa. Quando espremidos, este tipo de solo forma bolas frágeis que podem ser manuseadas suavemente antes de se desfazerem.
  • Solo franco: os solos francos contêm quantidades relativamente equivalentes de areia, silte e argila, sendo mais pegajosos que os arenosos. Os solos húmidos formam bolas que podem ser facilmente manuseadas sem desmoronar.
  • Solo franco-limoso: Os solos franco-limosos têm alto teor de limo e pouca argila. Como os solos francos, formam bolas que podem ser facilmente manipuladas.
  • Silte: os solos limosos geralmente formam torrões quando secos, mas são facilmente esmagados, transformando-se em pó tipo farinha. Quando húmidos, os solos limosos tornam-se sedosos e formam bolas lisas que podem ser manuseadas com cuidado, mas a falta de argila torna-as mais frágeis.
  • Solo franco-argiloso: como os solos limosos, os solos franco-argilosos também formam torrões quando secos, mas são muito mais pegajosos quando húmidos, devido à maior quantidade de argila que contêm. Este tipo de solo é o que tem a distribuição mais equilibrada de argila, areia e limo na sua composição. O solo franco-argiloso forma bolas pesadas que sobrevivem a uma manipulação ‘à bruta’.
  • Argila: os solos argilosos são os que têm mais textura; formam torrões quando secos e bolas duras quando húmidos.

Muitas vezes, são necessárias mais informações para distinguir entre as texturas do solo. É aqui que o teste do dedo é útil. Pegue numa porção da sua amostra de solo humedecida e esfregue-a entre o polegar e os dedos. Tente formar uma ‘fita’ com o material e compare os seus resultados com as descrições abaixo.

  • Areia: os solos arenosos não formam fitas.
  • Solo franco-arenoso: este tipo de solo forma uma fita muito fraca e granulada, que se quebra facilmente.
  • Solo franco: forma fitas um pouco granuladas, suaves, que podem chegar a medir pouco mais de 1 cm. antes de partir. Não guarda impressões digitais.
  • Solo franco-limoso: este tipo de solo forma uma fita fraca, suave, com textura de sabonete, que quebra facilmente
  • Silte: O solo limoso é suave e liso quando esfregado entre os dedos, mas não forma fitas.
  • Solo franco-argiloso: este tipo de solo forma fitas finas de 2cm de comprimento antes de quebrar. Embora possam mostrar algum lustro, as fitas franco-argilosas não contêm impressões digitais distintas.
  • Argila: Os solos argilosos formam fitas longas, finas e lustrosas; mantêm impressões digitais.
ao nível do solo
ao nível do solo

Teste do pH do solo

Existem ‘kits’ que permitem testar o pH do solo facilmente. O ‘kit’ necessita de água, uma amostra do solo reagente e um gráfico com cores que classifica o pH.
Coloque um pouco de solo no tubo do ‘kit’, adicione o reagente e água. Abane bastante o tubo e deixe assentar. O saibro vai para o fundo do tubo e a água no topo muda de cor. Compare a cor da mistura com o gráfico para determinar onde o seu solo está no espectro de pH — de ácido a alcalino.

laboratório
laboratório

‘kits’ de teste do solo

Podem ser comprados e enviados para análise num laboratório. Estes ‘kits’ podem dar informações quanto à quantidade de matéria orgânica, níveis de nutrientes, quão fácil será aos nutrientes serem absorvidos pelas plantas e níveis de metais pesados no solo (que normalmente têm impacto na saúde humana).
Os ‘kits’ têm instruções específicas. Siga-as com precisão para depois obter informação precisa.

Com toda esta informação, é possível tornar quase qualquer solo num bom solo, isto é, um solo com uma combinação de argila, areia e silte, com um pouco de matéria orgânica.

Relacionado com este tema, este artigo sobre irrigação pode-lhe ser útil. Este artigo sobre turfa também está relacionado com o tema abordado neste artigo, assim como este, que explica como recuperar relvados deteriorados.

Sumário
O que torna um solo bom?
Nome do Artigo
O que torna um solo bom?
Descrição
Neste artigo mostramos como ter sucesso com o solo existente no seu jardim. Mostramos como usar técnicas cientificas para determinar as características do solo, os seus componentes e o seu respetivo papel. E vamos mostrar como tornar os solos mais hospitaleiros para as plantas.
Autor
Nome do Editor
TudoHusqvarna
Logo do Editor