O juniperus communis, conhecido como zimbro rasteiro, é uma das espécies lenhosas mais presentes no território nacional. Ao ser muito resistente (suporta climas extremos, secas e ventos) é habitual encontrar-la no interior centro e norte.

A subespécie communis é a maior de todas as variedades do juniperis. Os seus frutos, folhas, etc., como outras plantas já analisadas neste blogue, usam-se para tratar diferentes doenças, pois são benéficas para a saúde.

Esta ficha recolhe, para além do mencionado anteriormente, também aspetos como os cuidados necessários para um correto desenvolvimento ou possíveis doenças e pragas que podem afetar a planta.

Curioso? Continue a ler!

O que é o zimbro rasteiro ou juniperus communis, que características tem e para que se usa?

zimbro-rasteiro

zimbro-rasteiro

  • Nome comum: Zimbro comum
  • Nome científico: Juniperus communis
  • Classe: Pinopsida
  • Família: Cupressaceae
  • Origem: Esta planta lenhosa é originária da América do Norte (região da Califórnia), do norte de África e da Ásia (Himalaias). Na atualidade ocupa as zonas de montanha da Europa, o sul do continente asiático e América do Norte. Em Portugal, é habitual ver zimbro no interior norte e centro. Este arbusto cresce em zonas de frio intenso, com ventos fortes e nas partes altas das montanhas.

Características do zimbro rasteiro: descrição, particularidades e componentes da planta

O juniperus communis, ou como se lhe chama coloquialmente zimbro rasteiro, é um arbusto dioico (com indivíduos masculinos e femininos), perenifólio, que pode chegar a medir vários metros de altura quando as condições são as mais adequadas. A subespécie communis é a única variedade de Juniperus que chega a ter um porte arbóreo, medindo não mais do que 1 metro, aproximadamente.

As folhas do zimbro têm forma de agulha. São pontiagudas, curtas, dispostas em verticilos de três sobre os ramos. Possuem uma cor verde característica e apresentam um lado pálido na face superior. As flores podem ser masculinas ou femininas, por isso se diz que é uma planta dioica. As primeiras têm um tamanho inferior, são de cor amarela, agrupam-se em pequenos cones de até 3 milímetros nos extremos dos ramos e são as encarregadas de produzir pólen. Por seu turno, as femininas reúnem-se em inflorescências globosas que produzem os frutos. Estas flores têm as escamas soldadas à base, verticiladas por 3 ainda que só são férteis as superiores. Quanto aos frutos, as flores femininas são as encarregadas da frutificação. O resultado é um gálbulo com aspeto carnoso, em forma de bago, com um tamanho de até 10 mm de diâmetro e de cor azul-escuro e negros quando maduros.

Componentes do zimbro rasteiro

Alguns dos elementos que estão contidos no zimbro e que de alguma forma ajudam a que esta planta arbórea se possa usar no tratamento de doenças, são os seguintes:

  • — Ácidos: Acético, ascórbico, clorogénico
  • — Terpenos: Alfa-pineno, beta-pineno, alfa-humuleno, alfa-felandreno, alfa-copaeno, beta-felandreno, alfa-terpineno, gama-alfa-terpineol, sabineno, eucaliptol, nerol, ferruginol (contido na madeira), terpinen-4-ol (óleo essencial dos frutos e das folhas)
  • — Terpenóides: Cânfora (contido nos frutos)
  • — Mentol (frutos)
  • — Resina (frutos e madeira)
  • — Juniperina (frutos)
  • — Hidratos de carbono: Fructose e glucose (frutos)
  • — Flavonoides: Catequinas, epicatequinas, galocatequinas, epigalocatequinas, apigenina (nos frutos do zimbro)
  • — Taninos (frutos) e galotaninos (madeira)
  • — Fibra: Pectina
  • — Minerais: Cálcio, cobalto, cromo, ferro, magnésio, manganês, fósforo, potássio, selénio, sódio e zinco (frutos)
  • — Vitaminas: Vitamina C, B3, B1.

Principais usos do juniperus communis

Como muitas espécies vegetais, o zimbro também tem certas propriedades que o tornam especial no tratamento de diferentes doenças. O seu uso na medicina não é algo atual, pois, já na antiguidade se usava para tratar doenças infeciosas ou como ajuda nos partos.

Ainda que seja muito benéfica para a saúde, quando se sofre de doenças de intestinos e rins, não é recomendada a ingestão de juniperus communis. Para além disso, também não o devem tomar as mulheres grávidas ou lactantes.

Usos tradicionais do zimbro

Na antiguidade, o zimbro usava-se para lutar contra uma grande variedade de doenças. Em numerosos estudos, elaborados por médicos e botânicos antigos, mencionava-se que esta planta era adequada para provocar a urina, aquecer o organismo e para a obtenção de um verniz (gordura) que servia para as dores. Para além disso, estes especialistas consideravam que os frutos do zimbro são excelentes contra as mordidelas de espécies venenosas e para usar em tratamentos contra paralisias.

bagas de zimbro rasteiro

bagas de zimbro rasteiro

Usos atuais do zimbro

Na atualidade, as folhas, flores o frutos do zimbro utilizam-se em numerosos tratamentos para uso tanto interno como externo.

— Para uso interno: o zimbro é um bom diurético. Os seus componentes ajudam a estimular os rins e a produção de urina. A sua capacidade de aumentar a diurese pode ser aproveitada em doenças como a artrite reumática, a gota, a hipertensão ou a pedra nos rins. Também é uma planta medicinal aperitiva, estomacal e tónica.

O juniperus communis ajuda a remediar doenças do peito, graças às suas propriedades expetorantes (adequado para as constipações, bronquite, ou faringite). Para além disso, é um bom antissético e um bom antiespasmódico.

— Para uso externo: Para tratar problemas externos, o zimbro utiliza-se sobretudo como óleo essencial, um óleo que é obtido por destilação ao vapor das bagas secas, agulhas ou madeira. Dado que esta substância contém propriedades antissépticas e cicatrizantes, o zimbro é perfeito para tratar o acne, os eczemas e a dermatite.

É também é um bom analgésico para dores musculares e das articulações.

Outros usos do juniperus communis: jardinagem, alimento e licores

O zimbro, para além dos usos medicinais. Também se utiliza, e de forma muito habitual, em jardinagem, como alimento ou na produção de licores.

  • — Jardinagem: Existem muitas espécies de zimbro e algumas foram introduzidas em jardins públicos como plantas ornamentais. Graças à sua resistência a condições climatéricas adversas, pragas e doenças, o zimbro tornou-se popular no design de espaços ajardinados.
  • — Alimento: O que se consume do zimbro são os seus frutos. As bagas produzidas por esta planta são ricas em açúcares e possuem um aroma resinoso. Algumas vezes são secadas para produzir farinha e para substituir o café.
  • — Fabrico de licores: os frutos do juniperus communis usam-se na produção de licores, concretamente no fabrico de gim.

Os cuidados de que o zimbro rasteiro necessita: necessidades e requisitos para que o seu desenvolvimento seja ótimo

Como todas as espécies vegetais de que falamos neste blogue, o juniperus communis também requer condições especiais para um bom desenvolvimento.

Apesar de ser uma planta austera que se adapta a climas continentais extremos, o zimbro rasteiro necessita de um de luz concreto, um solo com um pH particular e uma quantidade de água característica. Vejamos as necessidades desta planta:

  • Luz: o zimbro rasteiro precisa de uma exposição total de sol e pode crescer em zonas de semissombra. É uma planta que se desenvolve em climas extremos, pelo que suporta geadas, vento e calor.
  • Solo: a espécie communis desenvolve-se melhor em solos com um pH ácido, neutro, alcalino (ou muito alcalino). Pode tolerar terrenos pobres em nutrientes. A parte subterrânea deste arbusto cresce com vigor em substratos arenosos, e argilosos. É, pois uma planta que se adapta a quase qualquer tipo de solo, desde que esteja bem drenado.
  • Rega: Deve-se regar de forma moderada durante todo o ano, dado tratar-se de uma espécie muito resistente à seca. Para evitar problemas, é recomendável que se deixe secar bem a terra antes de voltar a regar. Neste campo, deve-se ter em conta a exposição solar, a temperatura, a textura do solo, etc.
  • Adubo: é aconselhável adubar durante o outono e a primavera com um pouco de matéria orgânica.
  • Transplante: Tanto o transplante como a plantação devem ser efetuadas no outono e na primavera.

Possíveis doenças do juniperus communis e pragas que podem afetar o seu desenvolvimento

O zimbro, como mencionado anteriormente, é uma planta arbórea muito resistente que pode sobreviver em climas extremos e sob quase qualquer condição. No entanto, tal como muitas outras espécies vegetais, pode ser afetado por diferentes doenças e pragas. Entre elas destacam-se as seguintes:

Fungos: Quando não existe uma boa drenagem do solo, o zimbro pode ser invadido por fungos, sobretudo na primavera (especialmente em climas quentes e húmidos). Para o tratar, temos que aplicar um fungicida que se adapte às condições da planta.

Pragas: as mais habituais são a da cochonilha e a aranha vermelha. Para as combater é necessário usar, em primeiro lugar, óleos especiais, e se a praga não desaparecer e aumentar, recomenda-se utilizar os acaricidas adequados.

Sumário
Zimbro rasteiro - a planta lenhosa que resiste em condições extremas
Nome do Artigo
Zimbro rasteiro - a planta lenhosa que resiste em condições extremas
Descrição
Neste artigo analisamos o zimbro, cientificamente chamado juniperus communis. Abordamos as suas características, os usos medicinais desta planta e os cuidados de que necessita.
Autor
Nome do Editor
TudoHusqvarna
Logo do Editor